Qualificação de Fornecedor

foto-da-reportagem

Muitas etapas da metrologia são esquecidas, ou executadas inadequadamente, por exemplo a Qualificação dos Fornecedores, mesmo nas melhores empresas da região, aquelas que tem um Sistema da Qualidade implantado e passa por auditorias frequentes.

Estas etapas da qualificação, mesmo tendo uma grande importância, não executadas a contento, isto devido diminuir as tarefas relacionadas à qualidade, e porque também não é muito cobrada, principalmente nas auditorias de gestão tais como ISO 9001, ISO 14.000 etc.

Destacamos que todos os fornecedores, de qualquer produto ou serviço, precisam ser antes qualificados, como faz a ABNT NBR ISO / IEC 17025 (norma para gestão de Laboratórios de Calibração e Ensaio), no seu “item 4.6 – Aquisição de Serviços e Suprimentos”. Até o fornecedor de papel para impressora deve ser qualificado e monitorado quanto às suas entregas.

1.0 – QUAL O OBJETIVO DESTA QUALIFICAÇÃO?

1.1 – Conhecer a Estrutura do Fornecedor

O principal objetivo desta qualificação, é conhecer a estrutura do fornecedor, e ver se este tem condições para entregar o que se precisa, isto é feito via preenchimento de um formulário, que estará nos itens a seguir.

Um item bastante crítico na vida de qualquer empresa, não importando o seu tamanho e quantidade de itens que precisam ser calibrados / controlado, é sempre o fornecimento de serviço de calibração. Na escolha do fornecedor de serviço, a empresa interessada na contratação recebe duas ou três propostas, de fornecedores, que nunca ouviu falar e, a escolhe um apenas com base no preço, sem nenhuma qualificação prévia, questionário, visita, ou pesquisa de qualquer natureza. Nesta avaliação / qualificação, é preciso checar se o provável fornecedor tem: padrões (classe e quantidade), se seus padrões são calibrados num laboratório RBC, se tem procedimentos adequados, se os cálculos são validados, se as fontes de incertezas consideradas são adequadas, se tem pessoal treinado com conhecimento para realizar as calibrações, se tem alguma certificação ISO 9001 ou melhor ainda, RBC (17025), ou se tem algum Sistema de Qualidade implementado, mesmo sem uma norma de referência etc.

Se tiver por exemplo, uma acreditação ISO 17025, não é preciso preencher todo o questionário da qual falaremos no item a seguir, bastando apenas enviar cópia do certificado de acreditação RBC.

1.2 –  A Qualificação – Questionário

A qualificação pode ser feita de duas maneiras, porém sempre com base em um questionário. Este questionário pode ser levado e preenchido nas instalações do fornecedor, o que é preferível, ou ainda, ser enviado para que o candidato preencha, quando se tem grandes distâncias e custos elevados para isso.

A contratação de um fornecedor, sem qualquer qualificação é um pouco de amadorismo e contar com a sorte nesta escolha. Como se quer ter produtos de qualidade, se etapas importantes deste processo (por exemplo os equipamentos críticos), são negligenciados, qual será a minha qualidade ao final do processo?

O questionário, possui todas as perguntas necessárias, para você levantar mesmo à distância (caso o questionário seja enviado por email), se o candidato a fornecedor, possui todas as condições necessárias para lhe prestar um serviço de qualidade.

Por exemplo: tenho uma balança semi-micro, ou seja, resolução de 0,000 01 g. Meu candidato a fornecedor, precisa ter pesos padrões com classe E2 (preferível) ou até F1, classes piores que isso, por exemplo (F2, M1, M2 e M3), não são aceitáveis neste caso.

Outro exemplo: Tenho termômetros com resolução de (0,01 °C), o meu fornecedor de serviço, precisa ter um padrão com resolução de (0,001 °C), para servir para calibrar o meu, apenas baseado na resolução.

Outra pergunta: preciso que seja calibrado o valor de (500 °C) do meu termômetro especial. Meu fornecedor tem em seus padrões de referência este valor calibrado? Se tiver um valor maior que (500°C), já servirá, mas também este candidato, terá que gerar os 500°C necessários à calibração. Este fornecedor tem Blocos, Fornos Secos que gere este valor? Portanto, além das perguntas do questionário, deverá conter estas respostas.

Outra pergunta prudente: é analisar os certificados já emitidos, caso seja a primeira vez que este fornecedor vai trabalhar com você, e ver se os certificados são também consistentes, ou se já enxerga problemas ou necessidades de mudanças nestes documentos de suma importância para o Sistema da Qualidade e para o objetivo principal desta contratação. 

 

1.3 – Questionário de Qualificação de Fornecedor

 

QUESTIONÁRIO PARA QUALIFICAÇÃO

FORNECEDOR DE SERVIÇO DE CALIBRAÇÃO DE PADRÃO

 

1 – Dados do fornecedor:

Razão Social:_________________________________________________________

Endereço: ___________________________________________________________

Cidade – UF:_____________________________  CEP.: ________________________

Contato: __________________________________ Setor: _____________________

 

2 – Área de Atuação da Empresa:

__________________________________________________________________

A Empresa possui certificação ISO 9001 ou acreditação junto à RBC?

a) – Caso a empresa possua, anexar cópia dos Certificados, não sendo necessário responder o questionário abaixo:

b) – Caso a empresa não possua, deverá responder as perguntas a seguir:

3 – Os certificados emitidos indicam:

sim não
Nº do Certificado em todas as folhas
Nº de folhas
Razão social do contratante
Endereço do contratante
Identificação do equipamento calibrado
Dados do local da calibração
Responsável pela assinatura do certificado
Identificação dos responsáveis pela calibração / ensaio
Data da calibração
Identificação do método – procedimento
Condições ambientais
Identificação dos padrões utilizados (rastreabilidade)
(VO) Valor do Objeto e do (VR) Padrão de Referência
(E) Erro ou (C) Correção, (U) Incerteza Expandida, (k) Fator de Abrangência e (Veff) Graus de Liberdade Efetivos
Validade da calibração dos padrões

 

4 – São estabelecidos e mantidos procedimentos documentados para atividades de inspeção e ensaios no recebimento, no processo e no produto acabado.

_______________________________________________________________

 

5 – Existem procedimentos documentados para controlar, calibrar e manter os equipamentos de inspeção, medição e ensaios, para demonstrar a conformidade do produto com os requisitos especificados?

_______________________________________________________________

 

6- Os produtos são identificados quanto à situação de inspeção e ensaio de forma a garantir que somente produtos aprovados serão utilizados?

_______________________________________________________________

 

7- A empresa tem estabelecido, documentado e mantido procedimento para manuseio, armazenamento, embalagem e expedição.

_______________________________________________________________

 

8- Todos os padrões são rastreados à RBC ou à outra rede de metrologia nacional ou internacional?

_______________________________________________________________

 

9- A empresa mantém pessoal qualificado e treinado para a realização das calibrações?

_______________________________________________________________

 

10- A empresa comunica ao interessado quando o instrumento não tem condições de ser calibrado?

_______________________________________________________________

 

11- Estão estabelecidos e mantidos procedimentos documentados para identificação e rastreabilidade do produto desde o recebimento, incluindo todos os estágios de produção, expedição e instalação?

_______________________________________________________________

 

12- Os programas ou planilhas de cálculo da Incerteza Expandida e outros dados, são validados manualmente e existe uma sistemática para esta atividade, além de evidencias desta validação?

_______________________________________________________________

 

Importante: Com a devolução do presente questionário preenchido, nossos auditores da qualidade ficam autorizados a fazerem uma visita às instalações, se negociada com antecedência, visando verificar pessoalmente as informações desse questionário.

_____________________________________

            Local e data

_____________________________________

                  Função do responsável pelo preenchimento

_____________________________________

                       Carimbo e assinatura

 

 2.0 – VALIDAÇÃO DO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO

Depois de qualificado o seu fornecedor, vem a realização dos serviços, propriamente dita, e aí tem uma outra etapa ainda menos compreendida que a interpretação do certificado e, sua consequente validação, caso todos os dados e resultados estejam bons e ou adequados.

2.1 – O que Analisar num Certificado de Calibração?

Um certificado de calibração, para conter as principais informações necessárias à sua aprovação, precisa ter:

– Um título e um número (este último único);

– Símbolo da acreditação (caso seja RBC), ou ISO 9001 (caso o tenha);

– Dados do cliente tais como razão social e endereço;

– Dados do equipamento em calibração, tais como marca, modelo, identificação (número de série ou tag), classe, capacidade, resolução etc;

– Rastreabilidade ou Padrões Utilizados, com identificação do padrão, empresa que o calibrou (é fundamental que esta seja acreditada RBC e você enxergue o símbolo da CGCRE (RBC) neste certificado, número desse certificado e data da calibração e validade da calibração;

– Condições ambientais, como temperatura ambiente, a umidade ambiente, e para alguns equipamentos (balanças, volume, pressão, força etc.), é necessário também a pressão atmosférica.

– Procedimento e método de calibração utilizado, são coisas diferentes;

– Responsável, e data pela calibração;

– Tabela de resultados, com (VN) Valor Nominal, (VR) Valor de Referência, (VO) Valor do Objeto, (E) Erro ou (C) Correção, (U) Incerteza Expandida, (k) Fator de Abrangência e (Veff) Graus de Liberdade Efetivos. – Frases de rodapé, com informações complementares.

– Assinatura e responsável pelo certificado;

 

Observações:

1 – Todos os termos ou informações do certificado de calibração, tem que ser compreendidas pelo usuário.

2 – É o obrigatório que caso haja abreviações, tenha uma legenda para esclarecer o significa o termo abreviado. Campos inutilizados com ( —), ou (NA), ou (NE), precisam ser  evitados, porém se forem  necessários, terá que ter legenda traduzindo tudo, para não deixar dúvidas sobre qualquer termo.

 

3.0 – CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO

Para todo equipamento crítico existente, onde há uma calibração para garantir a qualidade dos resultados, é necessário que se tenha um Critério de Aceitação (CA), para validar o certificado de calibração. Os dados utilizados nesta etapa são: o Erro (E) e Incerteza Expandida (U), retirados deste certificado.

Calcula-se a Incerteza Resultante (IR), como sendo a soma quadrática do Erro e Incerteza Expandia, ou seja, IR² = (E² + U²).

Com base em IR, e no seu processo, ou seja, no que o processo permite errar numa medição, monta-se qual é o tamanho do (CA) – Critério de Aceitação, mas sempre partindo de um certificado de calibração, pois ali temos os dois parâmetros utilizados para isso, o (Erro e Incerteza Expandida). 

3.1 – A validação do Certificado de Calibração

Com o Critério de Aceitação (CA), montado para todos os itens críticos, e por isso foram calibrados, temos duas formas bastantes utilizadas de validação: 

3.2 – Primeira forma (CA ≥ IR)

(e recomendada nos nossos treinamento metrológicos)

Depois de atendido todos as informações do (item 2.1) e se o Critério de Aceitação (CA) for maior ou igual a IR, o certificado é consistente e o equipamento pode ser utilizado novamente.

3.3 – Segunda forma (CA / 3 ≥ IR)

Depois de atendido todos as informações do (itens 3.1 ou 3.2) e, se o Critério de Aceitação (CA) for maior ou igual a (3 x IR), ou seja, (CA / 3 ≥ IR) o certificado é consistente e o equipamento pode ser utilizado novamente. Nos nossos exemplos não usaremos este critério, apenas o que diz que CA ≥ IR.

3.4 – Evidência da Validação

Existem formas complicadas, formulários extensos para evidenciar que houve a validação do certificado, mais no âmbito da CGCRE (nas acreditações RBC), aceita-se tranquilamente que esta validação, seja por exemplo, um carimbo na primeira página do certificado do padrão, ou do equipamento crítico, com os dizeres:

– Validação XYZ Ltda, por exemplo;

– Um traço horizontal, para a rubrica do responsável e,

– Um espaço para a data desta validação).

Esta parte do Sistema da Qualidade, não é normalizado, ou seja, não existe uma norma para regular esta atividade, e talvez por isso vem a complicação e dificuldade de entendimento por parte dos usuários de calibração.

3.5 – Exemplo Prático – Certificado de Calibrado de Termômetro

Se calibrarmos um termômetro digital, por exemplo e tivermos os dados a seguir:

(VN)  Valor Nominal (°C) (VR)

Valor

Referência

(°C)

(VO)

Valor

Objeto

(°C)

(E)

Erro

(VO-VR)

(°C)

(U)

Incerteza

Expandida

(°C)

(k)

Fator

Abran-

gência

(Veff)

Graus

Liberdade

Efetivos

10 10,0 10,2 -0,2 0,1 2,52 6
50 50,0 50,4 -0,3 0,1 2,15 18
100 100,0 100,2 -0,2 0,1 2

 

Devemos pegar a pior linha do certificado, onde temos o maior (Erro) e a maior (Incerteza Expandida), mas sempre na mesma linha, no nosso exemplo é a linha do (50 °C), pois se passar a pior linha, as demais passarão também, evitando que façamos muitas contas para isso.

Calcularmos a Incerteza Resultante da pior linha, ou seja:

IR² = E² + U²  ==è  RAIZ(- 0,3² + 0,1²)  ==è   IR = 0,316 °C   ==è IR = 0,4°C

3.5.1 – Condição 1:

Se o Critério de Aceitação (CA), for maior do que (0,4°C). O equipamento deve ser validado (colocando o carimbo na primeira página e preencher os campos necessários do carimbo) e o termômetro pode disponibilizado para uso novamente e está valido para ser reutilizado.

3.5.2 – Condição 2:

Se o Critério de Aceitação (CA), for menor do que (0,4°C). O equipamento não vai ser validado, ou seja, será reprovado e, deve ser colocado neste instrumento este status (não aprovado), segregando-o dos demais itens, para ser consertado, ajustado ou descartado.

3.6 – Como é Montado o Critério de Aceitação?

Critério de Aceitação para Equipamentos Críticos

Equipamento Tag Loca-lização Faixa de

Medição

Reso-lução (CE)

Certificado Calibração

(CA) Critério Aceitação (IR) Incerteza

Resultante

(ST)

Sta-

tus

Manômetro MA-01 Linha 4 0 a 10 bar 0,01 bar 12345/16 0,6 bar 0,35  bar Apro-vado
Manômetro MA-02 Linha 4 0 a 30 bar 0,5 12346/16 0,6 bar 0,95 bar Repro-vado
Termômetro TE-01 Linha 5 0 a 100 °C 0,1°C 12347/16 1,0 °C 0,14 °C Apro-vado
Termômetro TE-02 Linha 5 0 a 100 °C 2°C 12347/16 1,0 °C 3.2 °C Repro-vado

Tabela: Critério de Aceitação

Observações:  

1 – CA IR (para ser aprovado)

2 – Unidades: Nos títulos da tabela acima, não se pode conter a unidade, pois serão colocados nesta mesma planilha, todos os seus equipamentos críticos, com diferentes tipos de unidades, por isso a unidade vem junto com o valor, por exemplo (0 a 10 bar) e resolução (0,01 bar). 

4.0 – PRÓXIMA CALIBRAÇÃO

4.1 – Exemplo1:

Nesta calibração, o termômetro estava na (condição 1), acima, e o Termômetro foi aprovado. Para as próximas calibrações era bom que existisse uma folga, ou seja, o CA ≥ IR, para as próximas calibração. É natural que aumente com o tempo e com o uso, o (Erro) e a (Incerteza Expandida), e se não houver esta folga, este não atenderá a condição de validação, ou seja, o CA ≥ IR, e este Termômetro pode não ser aprovado, neste caso precisaria ser consertado, ajustado ou descartado.

 5.0 – CONCLUSÃO

Etapas não cumpridas ou puladas, certamente gerará problemas. Porque o (Erro e Incerteza Expandida) grandes, trará grandes problemas no momento da validação, quando do recebimento do certificado de calibração. Esta é uma das etapas finais do processo, é aí já se passaram várias etapas onde poderia ser detectado, que o fornecedor não é adequado às suas necessidades, por não possuir: padrões adequados, competência necessária, planilha de cálculo validada, conhecimento sobre os seus itens críticos, tamanho da incerteza excedo o seu critério, não possui conhecimento para ajustar erros sistemáticos etc. Tudo isso (padrão, competência, planilha de cálculo, conhecimento etc.,) precisam ser comprovados durante a qualificação e isto é perfeitamente possível com preenchimento do Questionário de Qualificação de Fornecedor, que nenhum fornecedor se negará a preencher. Preenchimento in loco, é sempre preferível, pois aí são checados toda a estrutura necessária para prestar um bom serviço, a preços justos. Serviços baratos, tendem causar problemas de toda a sorte antes, durante e depois da execução, principalmente quando você precisa comprovar a rastreabilidade dos seus equipamentos críticos, e garantir que todos estes equipamentos, estejam sobre controle metrológico, com a validação dos mesmos.

Portanto, qualificar é uma das primeiras etapas na contratação do fornecedor de qualquer natureza, e no fornecimento de calibração dos equipamentos críticos, é ainda mais necessário, pois estes irão controlar o processo.


Autor: Abdias Barbosa

– Gerente Técnico da Teclabor Ltda, para 4 grandezas (Balança, Peso Padrão, Temperatura e Volume);

– Avaliador do Inmetro (CGCRE), para algumas grandezas RBC.

– Consultor para implantação da norma ABNT NBR ISO /IEC 17025 para: Balança, Peso Padrão, Temperatura e Volume e Massa Específica.

abdias@teclabor.com.br

Fone: (81) 2137-6100

www.teclabor.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *